Jetstortopia

Top 5: Seriados dos anos 60

Posted on: 08/10/2010


Começa aqui uma série de cinco posts (seguindo a sugestão da Edna e do Arone :)) não necessariamente seguidos, dedicados aos nossos queridos e saudosos seriados de TV do passado, abordando as décadas de 60, 70, 80, 90 e 2000. Logo me dei conta de que não é um assunto assim tão fácil de ser tratado, como imaginei a princípio: há uma abundância de excelentes sites (*), blogs e informações diversas dedicados ao assunto espalhados pela net, o que torna mais complicado abordá-lo de uma forma que não seja redundante ou repetitiva. E nesse formato que venho utilizando, é quase impossível escolher cinco séries e não deixar de fora várias delas tão ou mais importantes e marcantes de que aquelas que acabaram sendo escolhidas. Porém tendo em mente que tanto a escolha como a abordagem obedecem a critérios totalmente inescrutáveis, absolutamente pessoais e exclusivamente referentes á minha cachola, fica tudo subitamente mais fácil!

A televisão foi criada na década de 1920, porém sua adoção como mídia de massa e conseqüente produção de uma programação de maior significância cultural e social toma vulto apenas após a 2ª Grande Guerra (1939-1945). O surgimento do videotape na década de 1950 possibilitou a gravação e reprodução do programas para além da transmissão ao vivo, liberando a capacidade criativa própria do meio. Ainda que herdado do rádio e do cinema, o formato das séries ou seriados (episódios mais ou menos curtos, relativamente autocontidos, porém capazes de desenvolver uma narrativa ao longo de temporada(s) e contanto com a constante e imediata pressão da audiência) encontrou na TV seu meio preferencial.

E ainda que memoráveis e seminais seriados televisivos tenham surgido nos anos 50 (I Love Lucy, Bonanza, Durango Kid), foi na explosão criativa e colorida da década de 60, uma época de marcantes transformações políticas, sociais e culturais, que alguns dos seriados mais saudosos e influentes foram ao ar, chegando, em alguns casos, a gerar um significativo impacto cultural, capaz de se espalhar até os dias de hoje. Vamos a eles, então!

(aqui restritos á abundante produção norte-americana, ficando para o futuro a importante produção japonesa, além da brasileira)

1 – Agente 86 (1965-1970)

Criada á sombra da Guerra Fria (sendo Kaos e Controle as contrapartes paródicas da KGB e CIA), Don Adams vivia o atrapalhado agente secreto Maxwell Smart que, ao lado da sua bela e inteligente parceira Agente 99 (Barbara Feldon) e do pobre e incompreendido Chefe (Edward Platt), combatia as forças da Kaos, sempre prontas a ameaçar o mundo livre. Dizer que é uma das primeiras criações do genial diretor Mel Brooks a fazer grande sucesso só confirma a qualidade dos roteiros e o brilhante humor da série. Vale ainda destacar a presença dos pseudo-gadgets como o impagável sapatofone, e os inusitados disfarces (lata de lixo, caixa de correio, etc) do Agente 13 (Dave Ketchum).

2 – Jeannie é um Gênio (1965-1970)

Ahh, Jeannieuma garota linda e loira de vestido babilônico, apaixonada por você e capaz de satisfazer todos os seus desejos? È claro que isso soa totalmente politicamente incorreto nos dias de hoje, mas era extremamente arrojado na época que uma mulher vivesse na casa de um sujeito sem serem casados e constituírem uma família, padrão da igualmente famosa série A Feiticeira, para a qual tinha sido criada como concorrente. Ainda mais com aquele vestido, se é que ainda não mencionei… O ponto alto dessa produção de Sidney Sheldon (1917-2007) provinha do humor anárquico beirando o nonsense, e das inúmeras e bem boladas situações de tensão cômica geradas pelo contraste entre os diferentes personagens. A bela, ingênua e ciumenta gênia Jeannie (Barbara Eden); o tão ético quanto trapalhão astronauta Major Nelson (Larry Hagman); o leal, porém mulherengo e cobiçoso melhor amigo Roger Hilley (Bill Daily); e o pobre e paranóico psiquiatra Dr. Alfred Bellows (Hayden Rourke), progressivamente perdendo a razão ao presenciar as mágicas que ninguém mais da NASA era capaz de ver, formavam o time principal de uma série simplesmente genial.

3 – Jornada nas Estrelas (1967-1969)

Não tenho carteirinha e nunca fui a uma convenção, mas com certeza sou trekker de coração. Esta série foi brindada com roteiros de alto nível produzidos por escritores advindos do universo literário sci-fi, dentre os quais destaca-se Harlan Ellison. Possuía um casting afinado e carismático (comandado por William Shattner como o comandante James T. Kirk, Leonard Nimoy como o oficial de ciências vulcano Spock e DeForest Kelley como o médico de bordo Leonard McCoy) que refletia uma diversidade cultural e racial até então inexistente numa produção televisiva.  E contava altas doses de inventividade de parte dos excepcionalmente competentes membros da produção, do figurino aos cenários, capazes de dar forma à suprema fantasia futurista e humanista de Gene Roddenberry (1921-1991), criador da série. Porém quase que a Série Clássica ou original não consegue sair do papel, e não conseguiu passar de meras três temporadas na sua luta inicial por audiência, as razões variando do alto custo ao arrojo de suas premissas. Graças a uma capacidade de organização e dedicação sem precedentes dos fãs a série pode ser retomada no cinema ainda no fim dos anos 70 e, onze filmes e cinco seriados depois, continua viva e relevante em pleno século XXI. Nada mal para uma obra que, por contraste com outra fabulosa série de ficção científica com a qual é comumente comparada, não se baseia fundamentalmente em narrativas de guerras e impérios, mas na exploração científica e convivência pacífica universal…

4 – Missão Impossível (1966-1973)

Detentora de um dos mais marcantes temas musicais de abertura de todos os tempos (e me dou conta de que o mesmo pode ser dito sobre os temas de absolutamente todas as séries desta lista), esta é outra série que sobreviveu ao teste do tempo e já vai para sua quarta incursão cinematográfica. Seu brilho vem em grande parte da sua inteligente premissa: uma equipe de agentes secretos com habilidades variadas (mestre em disfarces, especialista em armamentos, etc) recebe uma missão diferente a cada episódio, os quais eram sempre recheados de suspense e ação que garantiam uma audiência literalmente na ponta dos sofás á espera da solução para as situações limite em que invariavelmente se encontravam. Isso tudo sustentado por um elenco de a qualidade excepcional, no qual se destacam Leonard Nimoy, Martin Landau e Peter Graves.

5 – Batman (1966-1968)

Camp, kitsch, responsável por danos à imagem do personagem, só plenamente reparados com o Cavaleiro das Trevas apenas décadas depois nos cinemas: nada disso nos importava naquela época. Batman era um superherói e, para quem nunca tinha visto as produções da década de 40 (dele e do Superman), ele era o primeiro e único que importava. Éramos crianças, não reparávamos no tom de deboche e escracho calculado dado pelos roteiristas ás tramas, e nem estranhávamos que Dick Grayson (Burt Ward) e Bruce Wayne (Adam West), vivendo naquela mansão apenas com o mordomo Alfred, quase sempre recusassem a atração de um encanto feminino que viesse a lhes cruzar a vista. Queríamos vê-los subir pelas paredes enquanto tentávamos imitar deitados no chão, levávamos a sério as ameaças do Coringa (Cesar Romero), do Pingüim (Burguess Meredith) ou da Mulher-Gato (Julie Newmar, Eartha Kitt) do mesmo jeito que buscávamos arduamente desvendar os enigmas do Charada (Frank Gorshin). Imaginar-se por trinta minutos como o homem-morcego e, enquanto se soca o ar, gritar a plenos pulmões zing, pow e crás: não tem preço.

(*) Deixo aqui a indicação dos sites RetroTV, Omelete, TrekBrasilis, MemoryChips e SeriesOnLine como os meus favoritos.

6 Respostas to "Top 5: Seriados dos anos 60"

Nossa, sabe do que eu lembrei? “Terra de Gigantes” e “Perdidos no Espaco” )lembra do Dr Smith?). Eu era crianca mas curtia adoidado.

Curtir

C/ certeza, e lembra de Túnel do Tempo, Viagem ao Fundo do Mar, Os Invasores? Dormia depois de luz acesa mas não queria perder nenhum ep, hehehe…

Curtir

Retribuindo sua visita, encantada com seu blog. Compartilhamos da amizade da Izabel, muito querida. Parabéns pela pesquisa e textos. E… estes seriados coloriram minha infância! Saudade demais!

Curtir

Olá Betty, que legal vc ter vindo dar uma olhada, e mais ainda ter gostado! P/ um blogueiro newbie como eu sua opinião positiva é um grande incentivo!! Devo encontrar a Izabel amanhã e vou agradecê-la tb pela dica do seu blog, hehe… obrigado e []s! PS: pretendo adicionar links á página, e se vc permitir seu blog será um deles, ok?

Curtir

Dr. Jets, lendo com atenção sua seleção, notei que Star Trek, indubitavelmente, ocuparia posição de destaque em todas as décadas a partir de 60 he he he… De qualquer forma, a mágica da lâmpada é realmente linda!!!

Curtir

Meu amigo, mesmo sendo trekker devo admitir que, sob certos aspectos, a lâmpada me encanta mais que o teletransporte :)))

Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Banner

Adicione nosso banner

Translate

Traducir - Übersetzen - Traduire - Tradurre - Přeložit - 翻訳する - μεταφράζω

Do quê você é fã?:

Enquete:

Insira seu endereço de email para assinar este blog e receber notificações de novos artigos por email

Junte-se a 50 outros seguidores

Tweets + recentes:

Para ler quadrinhos no PC:

Considero o CDisplay a melhor opção no Windows 2000-XP-Vista-7

Para ler quadrinhos no Android:

O Perfect Viewer é o meu preferido dentre as várias opções no Android

Para ler quadrinhos no Mac:

O Sequential 2 é uma boa opção - testado no MacOS 10.6

Para ler quadrinhos no iPad:

Aguardando apenas a doação de um iPad para testar o Comic Zeal

Para ler quadrinhos no Linux:

No link acima há instruções de instalação e packages para diversos distros

Para ler quadrinhos no Windows Phone:

Não testado mas bem recomendado na app store

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 50 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: